Mais um de Verlaine

Mathilde Mauté (1853-1914) ex-Madame Verlaine

IX

Son bras droit, dans un geste aimable de douceur,

Repose autour du cou de la soeur,

Et son bras gauche suit le rythme de la jupe.

A coup sûr une idée agréable l’occupe,

Car ses yeux si francs, car sa bouche qui sourit

Témoignent d’une joie intime avec esprit.

Oh! sa pensée exquise et fine, quelle est-elle?

Toute mignonne, tout aimable, et toute belle,

Pour ce portrait, son goût infaillible a choisi

La pose la plus simple et la meilleure aussi:

Debout, le regard droit, en cheveux; et sa robe

Est longue juste assez pour qu’elle ne dérobe

Qu’a moitié sous sess plis jaloux le bout charmant

D’un pied malicieux imperceptiblement.

IX

Seu braço direito com um gesto amável de doçura,

Repousa ao redor do pescoço da irmã caçula,

E seu braço esquerdo marca o ritmo na saia.

De repente uma certa ideia agradável se ensaia,

Pois seus olhos tão francos e sua boca sorridente

Exprimem uma alegria íntima da mente.

Oh! Seu pensamento esquivo e fino, qual será?

Tão bonita, tão amável e toda formosa,

Para esse retrato, seu gosto infalível revela

A pose mais simples, nada melhor do que ela:

Em pé, o olhar direto, sem chapéu; e seu vestido

É longo e sob medida para que não seja omitido

O que tem sob seu tecido rugoso, o orgulho charmoso

De um pé imperceptivelmente malicioso.

2 comentários sobre “Mais um de Verlaine

Os comentários estão desativados.